gallery/logomoldura

CONGREGAÇÃO YAOSHORUL'ITA oCAMINHO

gallery/jerus
gallery/foto15c

Cravadas na cruz (Cl 2:14) ou não? Na cruz, o Cordeiro (Yaohushua, o nosso Criador (UL) e Redentor (Mehushkyah) cumpriu todos aqueles rudimentos - ordenamnças - que apontavam para Ele, em função do pecado individual, coletivo, da nação e de outros... Hb 10:4, 11-18. Hoje, tais festas, assim como a Poskayao, assumiram novos significados ao apontar para a eminete Volta do Messias - At 15:16 (Jo 14:18, 21-23).

Portanto, as festas bíblicas são ordens sagradas de Yaohushua. Elas não são apenas judaicas; são, antes de mais nada, de YAOHUH UL, declaradas como estatuto eterno (Lv. 23:1-44). Essas festas não são um convite para que a Igreja [Kehilah] volte à primeira aliança, mas para sustentar a mensagem que elas transmitem. Elas apontam para o fim, para o Cordeiro e falam da parusia, ou seja, a segunda vinda dEle.

 

Preste atenção ao que está sendo ministrado, pois Roma não deseja que nossos olhos sejam abertos. Roma quer nos prender ao paganismo. Esse paganismo se traduz na tentativa de deixar as festas bíblicas no esquecimento e de pegar as festas pagãs e tentar cristianizá-las. Porém, YAOHUH UL'HIM abriu os nossos olhos. Não estamos mais debaixo da escuridão, pois Yaohushua nos trouxe para a luz, tirando-nos do Egito. Assim, a congregação [Oholiao] 

Resumo das Principais Festas Bíblicas

gallery/festa1
gallery/festa2
gallery/festa3
gallery/festa4
gallery/festa5

Essas 7 festas eram uma ferramenta de ensino para os filhos de Israel/Yaoshor'ul. Elas tipificavam a Vinda do Cordeiro (Jo 1:29) e Seu retorno final para a salvação da nação (At 15:16).


As 4 primeiras festas, também chamadas “festas da primavera”, apontam para a primeira vinda do Messias, que foram perfeitamente cumpridas pelo Messias (Yaohu'shua hol'Mehushkya) nos dias determinados.

 

1. A Poskayao (páscoa bíblica) aponta para crucificação e morte de Yaohu'shua. (Cumprida, mas que assumio um novo significado: a nossa redenção e comunhão com Ele).


2. Hamut - Matzot (Pães Ázimos) apontava para o sepultamento de Yaohu'shua, o qual aconteceu em uma quarta-feira, naquele ano. (Cumprida).


3. Habikurim (Primícias) apontava para a Ressurreição de Yaohu'shua, três dias depois (Mt 12:39-40), isto é, ao pôr-do-sol do Shabbos - não em um domingo como ensina a ICAR e seguido pelos que se dizem 'crentes'. (Cumprida).


4. Shavuot (Pentecostes) apontam para a Sua descida em Espírito, onipresente (Yaohu'shua Rukha Kod'shua - Santo Espírito) no dia de Pentecoste. (Cumprida 50 dias após Suas promessas - Jo 14:18; Mt 18:20; 28:20) e ressurreição/resgate da Igreja [Kehilah - a Noiva] na Sua segunda vinda (muito próximo de ser cumprida)!


As últimas três festas, também chamadas “festas do outono” apontam para a segunda Vinda do Messias.

 

1. A primeira festa do outono é o Yom Teruah/Rosh Hashanah conhecida como a Festa das Trombetas que profeticamente apontam para o preparo da Noiva, para receber o Seu noivo - Mt 25:1-13. (Muito próximo de ser cumprida)!


2. Yom Kippur (Dia da expiação) é o dia do Perdão e aponta para a redenção de Yaoshor'ul - o Povo do ETERNO, isto é, a Kehilah,  após o período da Tribulação - Mt 24:29-31. (Ainda a se cumprir).


3. Sukkot (Festa dos Tabernáculos) apontam para o retorno do Messias à terra e o estabelecimento do Seu Reino milenar. (Ainda a se cumprir).

Tendo o ciclo das primeiras quatro festas sido plenamente cumpridos pelo Messias (Yaohu'shua) em sua primeira vinda, o ciclo das três últimas festas será também perfeitamente cumpridas pelo Messias em Sua segunda Vinda.

gallery/festa7
gallery/festa8

Exemplo de significado profético:

gallery/festa6

O Calendário Hebraico é o mesmo que encontramos nas Escrituras

gallery/festa9

Como o Calendário é composto:

Por que precisamos de um calendário? Isto é fácil: para lembrar as datas importantes das festividades bíblicas e saber o dia correspondente no calendário gregoriano - atual.

 

O calendário judaico é mais antigo que o gregoriano; existe há mais de 3300 anos, quando o Criador mostrou a Mehu'shua a Lua Nova, no mês de Nissan, duas semanas antes da libertação dos filhos de Israel do Egito, no ano 2448 após a Criação do mundo. A partir dessa época, o povo judeu recebeu um calendário especial, diferente dos outros já existentes.

 

De que modo este calendário se distingue? O calendário judaico é lunissolar, i.e., os meses seguem as fases da Lua, porém leva-se em conta as estações do ano.

 

O mês lunar compreende o tempo que decorre de um Novilúnio até o próximo, consistindo de 29 dias, 12 horas, 44 minutos e 3,33 segundos. Como é impossível incluir num mês períodos fracionados como meios dias, horas e minutos, calculamos normalmente os meses de 29 e 30 dias, alternadamente. Desta forma resolve-se o problema das 12 horas excedentes que, uma vez são abatidas do mês de 29 dias e outra vez acrescidas no mês de 30 dias.

 

Mas conforme já verificamos, os períodos lunares abrangem além das 12 horas referidas, também uma fração de cerca de 44 minutos. Surge então a necessidade de resolver este problema adicional. Além disso, seria muito complicado que o dia santificado de Yom Kipur caísse no dia antes ou depois do shabbos; se o Yom Kipur fosse na sexta-feira ou no domingo, teríamos dois dias consecutivos proibindo qualquer tipo de trabalho, inclusive a preparação dos alimentos e, em caso de morte, não haveria enterro por dois dias e de acordo com a Lei Judaica, não poderíamos retardar o funeral.

 

Para solucionar essas questões, adiciona ou subtrai-se um dia em determinados anos, para Yom Kipur nunca cair numa sexta-feira ou num domingo, e que outras festividades também não caiam em certos dias da semana. Deste modo fica resolvido o problema dos 44 minutos que sobram.

 

Chamamos sua atenção para o fato de que é possível saber se qualquer um dos meses será completo (com 30 dias) ou incompleto (com 29 dias), observando-se a data de Rosh Chôdesh do mês seguinte. Se houver dois dias de Rosh Chôdesh, significa que o mês que termina é completo; assim sendo o trigésimo dia é sempre o primeiro dia de Rosh Chôdesh do próximo mês. Quando um só dia é Rosh Chôdesh, o mês que acaba tem somente 29 dias.

 

Quando tudo parece resolvido satisfatória e acertadamente, ainda é preciso da matemática, pois as dúvidas continuam.

 

Como já mencionamos, o calendário judaico baseia-se nas fases da Lua, diferente do calendário gregoriano que segue a rotação do Sol. Afirmamos também que podemos ter 29 ou 30 dias em cada mês do calendário judaico, mas nunca menos ou mais.

 

Um ano no calendário judaico tem 354 dias; ou seja, o ano lunar tem onze dias menos do que o ano solar, que tem aproximadamente 365 dias.

 

Se por acaso nos ocorre perguntar: qual é a importância disto? Aconteceria o seguinte: as festividades, neste caso, caminhariam para trás, cerca de onze dias em cada ano, até que a festa da Posqayao, que deveria ser celebrada na primavera (considerando as estações em Israel), cairia no meio do inverno; e Sucot que é no outono, seria em pleno verão, etc. Porém a Torá nos exige comemorar cada festividade na respectiva estação; por isso não ignoramos o sistema solar que determina as quatro estações do ano e não podemos deixar os onze dias e as frações para trás.

 

A solução é fazer com que estes se acumulem até inteirar um mês, quando então adicionamos esse mês ao ano lunar. Assim é que nestes referidos anos temos dois meses de Adar: Adar I e Adar II. Este ano é denominado embolísmico.

 

Até aqui expusemos de um modo simples o mecanismo do calendário judaico, mas ainda há algumas informações suplementares.

 

O ano do calendário judaico se compõe de 354 dias dividido em doze meses de 29 e 30 dias alternadamente. Tal ano é denominado "regular". Mas como já explicamos acima, em alguns anos deve-se acrescentar ou subtrair um dia de um dos meses. Este dia é adicionado ao mês de Cheshvan (30 no lugar dos costumeiros 29); então o ano é chamado de "completo". Quando o dia é subtraído, é retirado do mês de Kislev (29 dias no lugar do normal 30) e o ano é chamado de "incompleto". Assim, o ano normal de 12 meses poderá ter 353, 354 ou 355 dias, enquanto o ano embolísmico teria 383, 384 ou 385 dias.

O calendário judaico é reorganizado em pequenos ciclos de dezenove anos, cujas datas se coincidem com as do calendário gregoriano. Os anos embolísmicos são formados no terceiro, sexto, oitavo, décimo-primeiro, décimo-quarto, décimo-sétimo e décimo-nono anos desse ciclo.

Há mais de 1600 anos, nossos sábios do Talmud, que não contavam com o auxílio de computadores, calculadoras ou outros aparelhos sofisticados, deixaram por escrito o cálculo das datas do calendário judaico até o ano 6000 da Criação do mundo, que corresponde a 30 de setembro de 2239. Lembremos-nos de que o ano civíl, bíblico, termina por volta de setembro...

Contato/Dúvidas

Nome  
E-mail  
CEP  
Cidade  
Endereço  
Como nos encontrou?  
Mensagem